Voltar

Investimento por Capital de Risco em empresas da Internet das Coisas continua a aumentar

O financiamento na Indústria da Internet das Coisas (loT) e em empresas relacionadas com drones dispararam em 2015.

0 Comentários
Mary Ann Azevedo
Mary Ann Azevedo

O financiamento na Indústria da Internet das Coisas (loT) e em empresas relacionadas com drones dispararam em 2015.

Apesar de a Internet das Coisas (loT) continuar a ser uma área em crescimento, torna-se evidente que as empresas de capital de risco estão cada vez mais em conta e a injetar dólares em startups baseadas na Internet das Coisas.

De acordo com o Venture Pulse (relatório trimestral sobre tendências mundiais de capitais de risco, publicado juntamente pela KPMG Internacional e CB Insights) em 2015 o financiamento global de capital de risco atingiu a marca anual mais alta desde 2001, com investidores de risco a depositar 128,5 mil milhões de dólares em startups.

O financiamento em Capital de Risco no setor da Internet, em particular, representou uma parte significativa desse total. Esta tendência tem continuado até 2016, que viu um dos timestres mais fortes para a Internet das Coisas em termos de financiamento de 846 milhões de dólares, perdendo apenas para o segundo trimestre de 2015, de acordo com a CB Insights. O financiamento no primeiro trimestre de 2016 registou mesmo um crescimento de 31% em dólares de trimestre em trimestre (o investimento foi também maior comparado com mesmo trimestre do ano anterior). Grandes negócios durante estes três meses incluem 165 milhões de dólares de series F para Jawbone e 75 milhões de dólares de series C para Razer.

No geral, a Internet das Coisas tem conduzido um investimento de risco acumulado de 7,4 mil milhões de dólares nos últimos seis anos, de acordo com a CB Insights.

Os drones atraem fortunas

Dentro do setor global da Internet das Coisas, a IoT Industrial (IIoT) tem vindo a ganhar valor entre investidores porque alguns acreditam que o potencial deste setor ainda não está a ser totalmente aproveitado, criando assim uma maior oportunidade.

O financiamento em empresas de IIoT mais do que quadruplicou nos últimos cinco anos, com um crescimento de ano para ano exeto em 2013. O ano passado registou um crescimento de 83% sob o financiamento registado em 2014, fazendo assim de 2015 um ano “boom” global para a Internet das Coisas, afirmou CB Insights num relatório recente.

Dentro da Internet das Coisas, as empresas relacionadas com drones têm gerado um bom volume do total de dólares investidos por capitais de risco nos últimos anos.

O investimento em empresas de drones apoiadas por capitais de risco nos Estados Unidos, China, Europa e Israel atingiu um recorde em 2015, de acordo com Dow Jones VentureWire. As startups criaram 855,3 milhões de dólares num financiamento, até 22 de dezembro de 2015, de acordo com Dow Jones VentureSource. Isto comparado com apenas 94,4 milhões de dólares de crescimento durante todo o ano de 2014.

Estes valores contrastam com os registos entre 2010 e 2012 em que havia menos que cinco negócios de capital de risco para empresas de drones.

Adrian Fortino, um parceiro com raízes e com formação inicial na empresa Mercury Fund, nota que “os drones estão a ter um grande impacto na indústria da Internet das Coisas. Mais especificamente na agricultura, com os drones de asas fixas a fazer uma análise rápida dos campos e as empresas de software para evitar obstáculos como aSkySpecs, que introduziu uma plataforma numa série de arquiteturas de drones”.“É uma tecnologia de adoção de liderança dentro de um grande ecossistema de IIoT e é definitivamente interessante,” afirma Adrian.

Ganhar um nível de conforto com a Internet das Coisas Industrial

Inicialmente o investimento na IIoT foi lento por várias razões, mas está a começar a conquistar atenção.

Fortino nota que historicamente, os utilizadores da tecnologia industrial “continuam um pouco lentos”. “As decisões de compra são diferentes, a prova de conceitos também é diferente,” afirma.

Fortino já foi um engenheiro mecânico e empresário de software, por isso mesmo já possui um nível de conforto com a Internet das Coisas Industrial.

“Estamos a tentar resolver alguns dos grandes desafios dentro da adoção da Internet pela indústria, como a inoperância e a segurança,” afirma Fortino. “Se esses dois desafios começarem a ser resolvidos numa escala mais ampla vamos começar a observar uma maior explosão.”

Jim Pettit, cofundador e parceiro gestor da Navitas Capital, também investiu em empresas de Internet das Coisas, como Waygum Inc. e Building Robotics, Inc.

Tal como Fortino, Pettit acredita que a Internet das Coisas Industrial tem potencial pois assim que uma empresa prova que é eficaz com um cliente ou com um parceiro estratégico, “há tendência para haver uma quantidade razoável de consolidação.”

“Podem existir grandes barreiras à entrada e grandes ciclos de venda com uma integração mais complexa, mas uma vez que as mesmas se incorporarem, sentimos que a retenção vai ser bastante elevada,” afirmou Pettit.

O objetivo da empresa é redefinir a indústria de manutenção preditiva ao criar os seus algoritmos prioritários, dispositivos de detetação inteligente e uma ferramenta de diagnósticos móveis para novos mercados, começando com o diagnóstico HVCA (aquecimento, ventilação e ar condicionado), um sistema dentro das construções comerciais.

Saar Yoskovitz, CEO e cofundador da Augury, acredita que a tecnologia da empresa tem potencial para salvar mil milhões de dólares em manutenção e em custos de energia.

“Acreditamos que é necessário termos rastreadores para a saúde dos equipamentos mecânicos. Assim podemos saber quando algo está errado em vez de termos apenas uma máquina que deixa de funcionar,” afirma Yoskovitz. “Assim que tudo estiver conectado podemos recolher dados operacionais e mecânicos em diferentes sistemas e influenciar esses mesmos dados.”

###

Os conteúdos ou opiniões neste artigo são independentes e podem não representar necessariamente as visões da Cisco. São oferecidos com o intuito de encorajar uma continuação de conversas constantes sobre tecnologias inovadoras.

Congratulamo-nos com os seus comentários e envolvimento assim como a reutilização, republicação e distribuição do conteúdo do “The Network”. Créditos: usados com a permissão de http://thenetwork.cisco.com/.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *